Moda sustentável e moda consciente – Qual a diferença?

Organic-frabric
Organic-frabric
  banner credit month julho de 2020  

Por trás das roupas que compramos está a produção em massa para atender o consumismo e os resíduos químicos provenientes desse processo. Neste sentido, moda sustentável busca questionar esse processo.

Além dos resíduos poluentes que são gerados durante a produção, cerca de 300 mil toneladas de roupas usadas, que vão doadas ou descartadas.

Para se ter uma ideia, em 2015 o consumo da indústria têxtil chegou a aproximadamente 73 milhões de toneladas. A probabilidade é que esse número crescerá 4% a cada ano até 2025.

Entretanto, por outro lado, somente 20% desses tecidos são reciclados por ano em todo mundo. Uma quantidade muito baixa tendo em vista a grande produção.

Roupas nem sempre são recicladas
Roupas nem sempre são recicladas

Os Estados Unidos são os detentores do maior mercado de vestuário, possuindo aproximadamente 30% do volume total.

Isso se deve ao modelo de consumo fast fashion que vai contra à sustentabilidade.

O modelo de moda rápida ganhou força a partir da década de 1990 quando os consumidores se viram diante de encontrar nas lojas coleções novas praticamente todas semanas e com o preço baixo.

O modelo fast fashion passou a oferecer para o consumidor novidades toda semana e com preços baixos, mudando a forma de produção da indústria têxtil.
O modelo fast fashion passou a oferecer para o consumidor novidades toda semana e com preços baixos, mudando a forma de produção da indústria têxtil.

A produção das roupas passou a ser feita de forma mais veloz e barata. Contudo, essa fabricação foi transferida para os países do terceiro mundo, onde a mão de obra é mais barata e não há regularização de direitos trabalhistas e condições de trabalho.

O salário de um trabalhador da indústria têxtil em um país com economia subdesenvolvida é de cerca de 2 a 3 dólares por dia. Isto é, o consumo em massa na indústria da moda tem um alto preço, não para o consumidor final, mas para os trabalhadores que fabricam as peças e ao meio ambiente.

O trajeto da roupa da fabricação até o descarte

Uma peça de roupa deixa uma grande pegada durante seu processo de vida, que vai desde ao plantio do algodão, colheita, produção, processamento, transporte, uso e descarte.

Os agrotóxicos usados para o plantio do algodão, as tintas e outros produtos químicos usados na fabricação e os resíduos da roupas descartadas em aterros são os custos ambientais de uma peça de vestuário.

Uma peça de roupa trilha um longo caminho, que inclui o plantio do algodão até seu descarte.
Uma peça de roupa trilha um longo caminho, que inclui o plantio do algodão até seu descarte.

Há materiais, como o algodão, que além de recicláveis também são biodegradáveis.

Enquanto o poliéster e nylon, que são materiais sintéticos, podem até ser reciclados, mas não são biodegradáveis, o que faz com que milhares de fibras minúsculas e produtos químicos sejam enviados aos oceanos no processo de reciclagem de peças desses componentes.

Qual a solução para mudar o modelo de produção atual?

Para minimizar os impactos da moda, a solução seria repensar o ciclo completo de vida da peça de roupa que consumimos e evitar o desperdício.

A produção deve ser feita pensada de forma consciente em que novas tecnologias sejam aplicadas para que todos os resíduos sejam reciclados.

Repensar a produção e tonar a moda sustentável e consciente é um grande desafio.
Repensar a produção e tonar a moda sustentável e consciente é um grande desafio.

Aos poucos, este panorama já começa a mudar. Estilistas como Ralph Lauren, Stella McCartney e Eileen Fisher já estão usando em suas peças tecidos orgânicos ou feitos da reciclagem de materiais.

Esta é uma maneira de reduzir o desperdício de energia, água e produtos químicos na produção têxtil.

O que faz moda sustentável

É inegável que o mundo da moda está cada vez mais buscando alternativas para a conservação do meio ambiente. Daí surge a moda sustentável e a necessidade de engajar cada vez mais consumidores em atitudes que estejam ligadas ao conceito de consumo consciente.

Mas, o que é moda sustentável? Também chamada de eco fashion, a moda sustentável está ligada á forma que os artigos de modas são produzidos.

A moda sustentável se preocupa em usar métodos de produção que não produzam ou pelo menos minimizem o impacto ambiental.

Usar algodão orgânico, que podem ser 100% reciclados e são biodegradáveis, está entre uma das formas de se fazer moda sustentável.
Usar algodão orgânico, que podem ser 100% reciclados e são biodegradáveis, está entre uma das formas de se fazer moda sustentável.

Neste sentido, a moda sustentável está na contramão das fast fashions, já que possui como principal objetivo oferecer peças com durabilidade e que tenham o uso prolongado.

Na moda sustentável, são aplicados métodos que são menos poluentes, como:

  • Aplicação de corantes naturais e colas menos tóxicas para que não haja a poluição dos oceanos e lençóis freáticos;
  • Uso de tecidos eco-friendly, onde são usadas fibras orgânicas e que são usados menos água e produtos químicos na produção;
  • Reutilização e reutilização de tecidos e outros materiais usados e descartados;
  • A preocupação em produzir peças que possam ser utilizadas por um longo tempo, tendo em vista que a produção voltada para as fast fashions valoriza o consumismo e o descarte rápido das peças, que são usadas em média somente 5 vezes.

A estilista israelense Dana Cohen é um exemplo de que a moda sustentável pode ser aplicada com sucesso e sem perder a beleza e elegância.

Em 2016, ela fez sua coleção de formatura na Shankar College of Engineering and Design a partir da reciclagem de resíduos têxteis. Dana quis provar que era possível fazer algo bonito a partir de um material que seria descartado.

Foto: Reprodução/Instagram @vogueitalia
Foto: Reprodução/Instagram @vogueitalia

O vídeo abaixo mostra como foi feita a reciclagem e transformação dos resíduos de tecidos tecidos antigos para a criação das peças estilosas e modernas.

O que é moda consciente?

Os debates em torno da moda consciente se se intensificou nos últimos anos, principalmente, após a repercussão do desabamento, em 2013, do Rana Plaza, que era um prédio que abrigava uma fábrica têxtil em Bangladesh.

Mais de 400 pessoas morreram no desabamento do Rana Plaza, em Bangladesh. O prédio já apresentava rachaduras, mas os sinais foram ignorados, pois a produção não podia parar.
Mais de 400 pessoas morreram no desabamento do Rana Plaza, em Bangladesh. O prédio já apresentava rachaduras, mas os sinais foram ignorados, pois a produção não podia parar.

Nessa fábrica eram produzidas roupas para grandes marcas de fast fashions ocidentais, entre elas a britânica Primark.

A tragédia é retratada no documentário francês “The True Cost“, que aborda os  diversos aspectos e impactos da indústria da moda na sociedade, em especial após o boom das fast fashions.

Muita gente pensa que moda sustentável e moda consciente é a mesma coisa. Apesar de ser complementares, há diferenças no conceito de moda sustentável e moda consciente.

Enquanto que a moda sustentável se preocupa com as formas de produção da indústria têxtil, a moda consciente é quando o consumidor manifesta em suas comprar a preocupação com as questões ambientais e também sociais que envolvem a produção em massa das fast fashions.

Neste sentido, se busca produtos com materiais sustentáveis e de qualidade e que, além de ter maior durabilidade, também sejam atemporais, como são os caso das roupas e acessórios de grifes.

Comprar em brechós é uma forma de incentivar o consumo consciente e a moda sustentável.
Comprar em brechós é uma forma de incentivar o consumo consciente e a moda sustentável.

O consumidor de uma moda consciente está em busca de peças que tenham significado e provoquem diálogo.

O consumidor consciente evita descartar a roupa rapidamente e preocupa-se em saber como foi a produção da peça.

Isto é, se foi produzido em países do terceiro mundo em condições de trabalho precárias, o tipo de tecido e componentes usados, se é possível fazer a reciclagem total após o descarte e etc. Ele sabe que pode ser agente transformador da sociedade a partir de seu ato de consumo.

Como ser um consumidor consciente?

O primeiro passo para se tornar um consumidor consciente é analisar seu guarda-roupa e manter nele somente aquilo que você usa.

As roupas não usadas podem ser doadas ou disponibilizadas para vendas em brechós, sites, lojas de aluguel de roupas e etc.

Ao comprar uma nova peça você deve se questionar: “Será que preciso disso?” e depois disso buscar locais onde é possível comprar roupas de forma consciente.

Em busca do consumo consciente dê preferência às peças duradouras e atemporais.
Em busca do consumo consciente dê preferência às peças duradouras e atemporais.

Neste sentido, o Etiqueta Única é um brechó com roupas e acessórios de grifes atemporais que segue a proposto da moda sustentável e consumo consciente.

Uma compra consciente precisa de informação. Por exemplo: ao escolher entre uma peça de algodão puro e poliéster, o consumidor que esteja preocupado com as questões ambientais deve optar pela de algodão, que pode ser reciclada.

A moda precisa ser pensada de forma consciente, pois o que você compra e, principalmente, o que descarta, não é uma escolha pessoal, já que estamos todos dividindo o mesmo planeta e recursos naturais.

  banner credit month julho de 2020  

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here