Louis Vuitton: A Maravilhosa História da Marca

Foto bolsa Louis Vuitton de monograma para capa do post sobre a marca
   

Quando a palavra “luxo” e  os objetos “mala” ou ”bolsa” estão unidas numa única frase, certamente um nome aparece em sua cabeça: Louis Vuitton.

A glamurosa marca tem um espaço reservado no imaginário de toda a população mundial, isso porque ela conquistou seu público de uma maneira tão eficiente que é impossível pensar nesses acessórios sem se lembrar da grife de luxo.

Para alcançar o seu atual status, a Louis Vuitton passou por diversas situações em sua trajetória e, para conseguirmos entender, precisamos voltar mais de cem anos, quando o seu criador começou a escrever essa história, que é – considerada por muitos e pela própria empresa – uma lenda.

Nascido em 1821 em uma pequena aldeia da região de Jura, localizada na França, Louis Vuitton é oriundo de uma família de carpinteiros e moleiros.

Foto de Louis Vuitton, fundador e designer da marca de luxo de mesmo nome
Louis Vuitton

Com o objetivo de também aprender a trabalhar com madeira, assim como seus antepassados, decidiu se mudar para Paris, sendo contratado como aprendiz por um fabricante de baús de viagem – que eram extremamente comuns na alta hierarquia europeia da época. E é aqui que começa a história da marca.

Já em 1854, trabalhando para criar algo inovador e que atendesse à demanda dos clientes (ou seja, com a necessidade de ser tão prático e bonito quanto útil), Louis Vuitton inaugurou a Maison Louis Vuitton Malletier no centro de Paris, apresentando seu primeiro produto: uma mala revestida de tecido impermeável (que substituía o couro) reforçada com ponteiras de metal nos cantos, tornando-as mais resistentes.

Foto de quatro bolsas Louis Vuitton para post sobre a marca

Além disso, ele produzia sob encomenda produtos exclusivos das mais variadas espécies. Alguns exemplos são os baús que guardavam materiais fotográficos, livros, instrumentos musicais e etc.

Em  1885, já com o filho Georges Vuitton trabalhando junto com o pai, a grife abriu sua primeira loja em Londres – a primeira fora de França. Um ano depois, Georges, de acordo com o site oficial da Louis Vuitton:

revolucionou os fechos das malas e bagagens com um sistema de fechamentos inteligente que tornou os baús de viagem verdadeiras arcas do tesouro

Nessa mesma época, a empresa passava por problemas relacionados à imitações, então foram trabalhados novos conceitos e modelos para manter a autenticidade da marca. Isso só se concretizou quatro anos após a morte de Louis Vuitton (1821 – 1892), em 1896, quando Georges introduziu a ideia de logomarca nos produtos, estampando o LV em marrom e bege, que é utilizado até hoje.

Foto de mala e baú Louis Vuitton pretos

Já no século seguinte, em 1936, Georges falece deixando de herança a Louis Vuitton para seu filho, Gaston-Louis Vuitton. Sua maior contribuição foi a criação de um tecido impermeável mais maleável à base de linho, algodão e PVC, que é utilizado até hoje como matéria-prima nos modelos de bolsas.

Sua contribuição não se bastou na criação do tecido mas também desenvolveu o “The Library Trunk“, baú com gavetas secretas e prateleiras sob medida que levou a história do escritor Ernest Hemingway e outros escritores renomados.

Em 1977, Henry Recamier assume o comando da empresa e permanece até 1987, quando o francês Bernard Arnault comprou a grife.

PARCERIAS

Dez anos depois da compra, o estilista estadunidense Marc Jacobs foi contratado para renovar a marca, criando a primeira coleção de roupas, sapatos, joias e relógios da Louis Vuitton.

Com uma identidade remodelada e precisando introduzí-la no mercado, foi convidada para promover a grife a primeira garota-propaganda: Jennifer Lopez. Após essas medidas, a marca cresceu incríveis 80%.

Apesar de tamanha mudança, a Louis Vuitton não abandonou seus valores iniciais e continua com malas e bolsas como seu carro-chefe.

Desde então, diversas celebridades de diferentes áreas se tornaram garotos-propaganda da grife. Entre eles estão o ex-presidente da União Soviética Mikhail Gorbatchov, o recém-falecido boxeador Muhammed Ali, os ex-jogadores de futebol Pelé, Maradona e Zidane, o cineasta Francis Ford Coppola (O Poderoso Chefão), o vocalista da banda U2 Bono Vox, a atriz Angelina Jolie, o nadador e recordista olímpico Michael Phelps, a modelo aposentada Gisele Bündchen e agora a cantora Selena Gomez.

Campanha Louis Vuitton Outono 2016

No dia 28 de maio de 2016, em comemoração dos vinte e cinco anos da Louis Vuitton no Brasil, o Museu de Arte Contemporânea em Niterói recebeu o desfile da coleção Cruise. Entre estrelas internacionais que marcaram presença, estavam a atriz Catharine Deneuve (Indochina), Léa Seydoux (007 Contra Spectre e Azul é a cor mais quente) e Alicia Vikander (vencedora do Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante pelo filme A Garota Dinamarquesa), além de Jaden Smith (A Procura da Felicidade e Karate Kid [releitura de 2010]), que é o atual garoto-propaganda da grife. Além das celebridades nacionais como Sabrina Sato, Alessandra Ambrósio, Marina Ruy Barbosa, Fernanda Mota e Cleo Pires.

Para se manter atualizada, a Louis Vuitton realiza parcerias com diversos artistas contemporâneos, inovando sempre que possível seus produtos. Entre eles estão Karl Lagerfeld, Rei Kawakubo, Frank Gehry, Marc Newson, Christian Louboutin, Cindy Sherman, Yayol Kusama, Eko Nugroho, El Seed e Eine.

DE PARIS PARA O MUNDO

Desde a década de 90 a Louis Vuitton faz parte do grupo LVMH, que engloba também outras sessenta marcas. Atualmente a empresa é comandada pelo CEO Michael Burke, tem mais de 450 lojas espalhadas pelos seis continentes, quase vinte oficinas de produção, emprega mais de trinta mil profissionais e a marca é avaliada em mais de 23 bilhões de dólares.

No Brasil, a Louis Vuitton está presente há 26 anos. Desde da inauguração de sua primeira loja no país, em 1989, na cidade de São Paulo, a grife constantemente realiza algo na região. Não se sabe os números concretos, mas estima-se que o lucro da marca em todas as lojas no Brasil seja superior a 20 milhões de dólares.

Em entrevista realizada em 2012, o ex-presidente mundial da Louis Vuitton Yves Carcelle declarou que os brasileiros estão entre os dez maiores compradores da marca. A grife está presente em seis lojas no Brasil, localizadas em Brasília, Curitiba, duas no Rio de Janeiro e duas em São Paulo e todas estão alojadas em grandes shoppings.

Em relação às características da marca, algo que se destaca é a sua tradução. A casa em que o Louis Vuitton viveu com sua esposam filhos e descentes, no vilarejo de Asnières-sur-Seine, próximo a Paris, continua não apenas conservada, como em funcionamento.

Bolsa Alma da Louis Vuitton

O fundo da residência é o ateliê onde são produzidos os itens mais preciosos da grife: os sob medida. Atualmente quem cuida do departamento Special Orders é descendente direto da família, o Patrick Vuitton, que é responsável pelos pedidos de qualquer lugar do planeta, oferencedo aos clientes a encomenda – por mais extravagante e diferente que seja – desejada. Nenhum dos produtos feitos nesse ateliê integra alguma coleção da Louis Vuitton.

AUTENTICIDADE

Tão importante quanto, são os fatos da marca não possuir franquias e que, para os funcionários, cada detalhe é fundamental para a qualidade final do produto. Aliás, uma característica que a difere de outras gigantes é a quantidade reduzida de vendas online, que é oferecida apenas para oito países e somente pequena parte do estoque. Tais ações, além de manterem uma tradição secular, ajudam também a diminuir o risco de pirataria da marca.

Mas “ajudam também a diminuir” não significa “evitar”. A Louis Vuitton já afirmou que emprega uma equipe com mais de cinquenta pessoas em uma espécie de estratégia anti-pirataria. Isso porque a empresa já enfrentou problemas com produtos falsificados.

O site eBay, por exemplo, perdeu na justiça contra a Louis Vuitton, pois comercializa produtos não oficiais. Já no início de 2016, a grife processou três vendedores chineses que estavam vendendo cópias das mercadorias no site Taobao e pediu à Justiça o encerramento das atividades ilegais na China e uma compensação econômica de quase US$ 40.000.

Como saber se sua Bolsa Louis Vuitton é Original

Desde a fabricação de baús aos novos produtos, a Louis Vuitton trilhou um caminho rico em sua história de sofisticação. Não há ninguém que não reconheça o nome dessa marca e isso não aconteceu por acaso; com muita dedicação e trabalho, a Louis Vuitton se tornou a mais importante produtora de malas e bolsas do mundo, porque ela não é simplesmente uma empresa: é uma lenda. De uma história que perdura a mais de cem anos até hoje, Louis Vuitton sempre foi e sempre será a grife responsável pela arte de viajar.

   

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here